O desenvolvimento econômico e social na Coreia do Norte em 2020

Esse 2020, apesar de ser um ano horrível para todo o planeta, representou um ano de grande avanço da economia e desenvolvimento da República Popular Democrática da Coreia. A pandemia mundial significou o fechamento das fronteiras desse país asiático, perdendo uma fonte de moeda estrangeira justo no ano em que se ia inaugurar um projeto na cidade de Wonsan. Por sua vez, durante o mês de setembro, o país sofreu com a passagem de 5 tufões, fazendo que muitos dos recursos fossem para a reconstrução das áreas afetadas.

Apesar disso, a Coreia soube lidar bem com a situação: o desenvolvimento do país quase não foi paralisado, avançando em muitos aspectos-chave, como habitação, agricultura ou energia. Hoje revisaremos as conquistas mais marcantes.

  • Novas terras recuperadas do mar: por conta do fato da Coreia ser um país montanhoso onde menos de 20% das terras são aráveis, nos últimos anos foi realizada uma estratégia para ganhar terras do mar para usá-las no cultivo, mais especificamente, para o cultivo de arroz resistente à salinidade. Este ano, a área Ansok foi concluída.

Toda esta área está dando os resultados esperados no cultivo, razão pela qual novas obras deste tipo começaram em novos lugares na Coreia:

  • Novos hospitais. A RPD da Coreia, segundo dados da OMS, é um dos países com mais médicos por habitante na Ásia, com 37,86 médicos por 10.000 habitantes, superando seus vizinhos Coreia do Sul (23,61), China (19,8) e Japão (24,12). É por isso que todos os anos vemos novos hospitais e centros médicos em todo o país. Foi construído neste ano:

Hospital Popular da cidade de Samjiyon:

Hospital Popular da cidade de Chongju (Jongju):


E está quase completo o novo Hospital Geral de Pyongyang
:

Fotos: Elena Sorokina (IG)

  • Novas usinas de energia. Um dos objetivos atuais da Coreia é aumentar a produção de energia e também fazê-lo da maneira mais limpa possível. Por isso, 2020 foi uma continuação do trabalho que vem sendo feito nos últimos anos. Este ano foram construídas sete usinas hidrelétricas:

Central hidroelétrica “Exército-Povo” de Ichon:


Central hidroelétrica Juventude Nº4 de Hungju
:

Central hidroelétrica Kumyagang Nº2:

Central hidroelétrica de Linsan:

Central hidroelétrica “Exército e povo” de Munchon:

Central hidroelétrica “Taehung” de Kowon:

Central elétrica de Jagang

  • Energia solar. E não são apenas usinas hidrelétricas que foram construídas. Desde 2012, a Coreia realiza um ambicioso programa de incorporação de painéis solares em todo o país e, este ano, continuou o projeto, aqui estão alguns exemplos:

Antes e depois do Clube Mirin, que ganhou um parque de placas solares:

Centro de Ciência e Tecnologia de Pyongyang:

Diversos edifícios públicos:

  • Novos edifícios residenciais. Nesse ano, milhares de novas casas foram construídas em todo o país, que também foram dadas gratuitamente. Algumas delas são:

Cidade Kim Chaek:

Distrito de Riwon:

Cidade de Kangwon:

Sinpho e Tanchon:

Distrito de Hongwon:

Cidade de Samjiyon:

Comuna Taechong:

Cidade de Kaesong:

Distrito de Sunan:

Cooperativa Wonhwa:

Cidade de Nampo:

Distrito de Kimhwa:

Distrito de Hochon:

  • Nova tecnologia. O desenvolvimento da Coreia não se refletiu apenas em edifícios, mas também em várias conquistas tecnológicas:

— Novo painel solar híbrido fotovoltaico-térmico (tecnologia PVT), desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Arquitetura de Pyongyang. Em outras palavras, isso significa que a Coreia do Norte poderá obter eletricidade e calor de painéis solares ao mesmo tempo.

— Nova locomotiva elétrica de corrente alternada com 6 eixos. Com uma capacidade superior à dos seus antecessores, pretende-se melhorar o transporte de mercadorias em todo o país.

— Jindallae 7: novo celular de 6,3 polegadas. Possui tecnologia de reconhecimento facial e bateria de 5.200 mAh.

— Novos veículos elétricos: a Coreia desenvolveu este peculiar transporte 100% elétrico que será usado na zona turística costeira de Wonsan-Kalma.

— Novo elevador ferroviário. Será usado para transporte em encostas muito íngremes. Na foto, testes realizados no Monte Paektu.

  • Novas fábricas. Devido às sanções a que está sujeita a Coreia, todos os planos quinquenais do país visam a industrialização e o aumento da produção, a fim de tentar obter o produto de que necessita sem que as sanções a impeçam. Este ano, até uma cervejaria foi construída na cidade de Rason, uma prova de que a economia norte-coreana está indo muito bem.

Fábrica de equipamentos médicos Myohyangsan:

Fábrica de oxigênio medicinal Pyongsong:

Fábrica de leitos hospitalares na cidade de Huichon:

Fábrica de fertilizantes da cidade de Sunchon:

Fábrica processadora de frutas de Kosan:

Fábrica de Kimchi na cidade de Hyesan:

Fábrica de impressão de livros didáticos de Pyongyang:

Fábrica de cerveja na cidade de Rason:

Fábrica de processamento de alimentos de Sakju-gun:

Fábrica de processamento de alimentos de Taechon:

Fábrica de processamento de alimentos da cidade de Sinpo:

Fábrica de alimentos de Pyongbuk:

Fábrica de materiais de construção da cidade de Pyongsong:

Fábrica de óleos essenciais de Pyongyang:

  • Centros culturais

Teatro na cidade de Sariwon:

Teatro de Pyongyang:

Teatro na cidade de Sinuiju:

Teatro de Pyongan do Sul:

Salão Central de Trabalhadores:

Salão cultural na comuna Kangbuk:

  • Centros esportivos

Novo ginásio de Taekwondo em Hwanghae do Norte:

Novo ginásio de Sinpyong:

Escola de futebol de Pyongyang:

Escola de futebol de Hwanghae do Norte:

Pista de patinação no gelo em Hyangsan:

Estádio coberto de Phyongan do Sul:

  • Novos viveiros de plantas. Localizado nas cidades de Rason, Anju e Nampo, este conjunto de instalações agronômicas visa o cultivo de diversas árvores para posterior plantio. Isso se deve à campanha atual que a Coreia tem feito para reflorestar muitas áreas do país.
  • Outros

Casa de Repouso para Idosos Yanggangdo:

Caminhos para caminhada ao longo do rio Potong de Pyongyang:

Novos muros de contenção de rios:

Apartamentos na cidade de Sinuiju:

Oficina de produtos pesqueiros:

Nova residência dos estudantes da Universidade Agrícola de Wonsan:

Fazenda em Changseong-gun:

Fazenda de peixes de Hamgyong do Norte:

Fazenda de peixes na cidade de Kujang:

Barragem de Hwanghae do Sul:

Barragem do rio Dongnae:

Esclarecimento: a maioria das imagens foi tirada momentos antes da sua inauguração, por isso poucas pessoas são vistas. Na Coreia, esse tipo de foto é comum para que a arquitetura seja vista com clareza e sem distrações.

Com tudo isso, o atual plano qüinqüenal está encerrado, conforme havia sido adiantado em agosto. O novo plano terá início em meados de janeiro e terá como objetivo superar o crescimento e o desenvolvimento do país, tendo em conta as condições criadas pela pandemia. Algumas informações já foram adiantadas, como os planos de transformação da área de mineração de Komdok em uma moderna cidade montanhosa ao “estilo Samjiyon”, com a construção de novas casas para 25 mil famílias.

Nova cidade de Samjiyon, finalizada ano passado

Como vimos, por causa das sanções econômicas, os coreanos estão mobilizando todos os seus esforços para conter suas consequências e, até hoje, estão conseguindo. O crescimento do país está se tornando mais evidente a cada dia, apesar de todas as tentativas de nos fazer ver o contrário.


Fonte: Fekerfanta, do blog De Pyongyang a La Habana
Tradução e adaptação: Gabriel Tanan, CEPS-BR

7 comentários em “O desenvolvimento econômico e social na Coreia do Norte em 2020

  1. simplesmente inacreditável como os coreanos conseguem se desenvolver de forma tão magistral a despeito de tantas sanções, agressões e contratempos. São um exemplo para o resto do mundo. Parabéns aos camaradas do CEPSongun por tornarem estas informações acessíveis.

    Curtir

  2. Ótimo trabalho divulgando o avanço do socialismo coreano ! Só uma coisa, o link para os dados da OMS está com problemas, ao abrir aparece erro 404 página não encontrada.

    Curtir

  3. E ainda continuam batendo na velha tecla: “comunismo não deu certo em lugar nenhum”. Um país, com apenas 20% de terra arável, consegue esse nível de desenvolvimento. Viva Coréia do Norte e seu povo!

    Curtir

  4. Excelente matéria. Muito operário aqui trancafiado na favela. Lá, o país é dele. Aproveitarem pra pedir especial sobre o próximo plano plurianual da Coréia Popular.

    Curtir

Deixe uma resposta para Nickolas Peixoto Botta Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s