70 anos sem a camarada KIM JONG SUK

Há exatamente 70 anos, em 22 de setembro de 1949, falecia Kim Jong Suk, conhecida como a ‘Mãe da Coreia’.

A camarada Kim Jong Suk foi uma heroína coreana e vitoriosa guerreira comunista anti-imperialista.

Nascida na Coreia em 1917, ela foi esposa do Presidente Kim Il Sung e tomou parte da Guerrilha Anti-Japonesa, conduzida pelos revolucionários coreanos que lutavam contra a ocupação japonesa na Coreia. Durante duas décadas, a camarada Kim Jong Suk serviu ao Exército Popular Revolucionário da Coreia como uma das mais altas revolucionárias do país.

10882287_760467317365888_5732136195614081511_n
Destacada líder militar guerrilheira
190917_2
Corajosa e intrépida revolucionária

Foi criadora de táticas militares de guerrilha que levaram o povo coreano à expulsão do Japão. Foi ela o grande exemplo feminino que atraiu as melhores meninas e moças da Coreia para a luta armada contra o colonialismo e pela construção do socialismo.

Sua coragem e bravura se traduzem em seus feitos históricos de audaciosas ações de assalto contra as tropas japonesas. Ela também era guarda-costas do Presidente Kim Il Sung e já foi ferida em batalha defendendo a vida do Presidente.

Kim Jong Suk foi a primeira pessoa da Coreia a saltar de paraquedas: quando quase ninguém tinha coragem de realizar tal ato, ainda pouco difundido naquela época e lugar, foi ela que tomou a iniciativa e inaugurou a modalidade de luta no seu país.

Foi uma das figuras políticas presentes quando da assinatura da Lei de Igualdade Entre Homens e Mulheres da Coreia.

Após a libertação da Coreia e a fundação da República Popular Democrática da Coreia, Kim Jong Suk tomou parte central na construção socialista, com contribuições inestimáveis na formação da constituição da RPDC e de seus sistemas de educação. Foi uma das grandes orientadoras da formalização do Exército Popular da Coreia como forças armadas nacionais.

1395248_810571629014791_4720430345532733263_n
Com o Presidente Kim Il Sung e o Dirigente Kim Jong Il (ainda criança) em 1948.
10885499_760467284032558_7920719302527395117_n
Ao lado do Presidente Kim Il Sung, a camarada Kim Jong Suk foi uma grande estrategista da defesa nacional

Vivendo toda sua vida ao lado do povo, ao lado do Líder Kim Il Sung e servindo sempre à causa nacional de libertação e ao socialismo, a camarada Kim Jong Suk é exemplo de luta revolucionária feminina.

10924749_1055349821148002_6805550668800622464_n
A família revolucionária do Monte Paektu: a camarada Kim Jong Suk junto aos camaradas Kim Il Sung e Kim Jong Il.

Faleceu ainda muito jovem em 1949, mas sua vida revolucionária é até hoje exaltada como grande exemplo em toda a Coreia. Ela teve um filho chamado Kim Jong Il, que se tornaria anos depois outro grande Líder e herói revolucionário da Coreia.

CAMARADA KIM JONG SUK, PRESENTE!
MEMÓRIA ETERNA.

__________________
Lucas Rubio
Presidente do Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1

Como são punidos os crimes sexuais na Coreia do Norte?

Como um Estado socialista, a República Popular Democrática da Coreia, a “Coreia do Norte” que conhecemos, possui um código penal que pune severamente crimes sexuais (como estupro e pedofilia) com a morte do criminoso ou trabalhos forçados.

Além disso, a construção social do socialismo coreano, por meio da cultura e do trabalho, combate o sexismo e ambienta o cidadão para conviver em harmonia na sociedade popular, respeitando o próximo como membro de sua própria família.

A seguir, alguns artigos do Código Penal da Coreia do Norte que tratam de crimes sexuais:

Artigo 261º (Prostituição)
Uma pessoa que tenha praticado várias vezes a prostituição será punida com pena de trabalho de 5 anos. No caso de agenciador de prostituição a pena será de pena de morte.

Artigo 293º (Estupro)
Um homem que viola uma mulher usando violência ou ameaças ou tirando proveito dela será punido com pena de morte.

Artigo 294º (Forçando as mulheres subordinadas a ter relações sexuais)
Um homem que obriga uma mulher subordinada a ter relações sexuais com ele deve ser punido com pena de morte.

Artigo 295º (Interações sexuais com menores)
Uma pessoa que tenha relações sexuais com um menor com idade inferior a quinze anos será punida com pena de morte.

A República Popular Democrática da Coreia é um legítimo Estado socialista que não tolera a violação das trabalhadoras e das crianças sob nenhuma hipótese, diferente da sociedade capitalista onde crimes como esses, infelizmente, ocorrem todos os dias!

Ficou curioso para ler todo o código penal da Coreia do Norte? O CEPS-BR já publicou esse documento e você pode ler clicando aqui.

_________________
Lucas Rubio
Presidente do Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1

O cristianismo na Coreia do Norte

Embora muitas pessoas achem que a religião na Coreia do Norte, especialmente o Cristianismo, seja proibida ou seguidores de alguma fé sejam perseguidos, aprisionados ou executados, a verdade é que a liberdade de prática de fé é totalmente legal e garantida constitucionalmente.

O artigo 68 do capítulo 5 da Constituição da República Popular Democrática da Coreia assegura:

“O cidadão tem liberdade de crença religiosa. Esse direito é garantido com a permissão de construir edifícios e celebrar cerimônias com fins religiosos. (…)”

O mesmo artigo, em seguida, porém, adverte algo importante:

“(…) Não se pode aproveitar a religião para introduzir forças estrangeiras ou perturbar a ordem estatal e social.”

Dessa forma, não se permite de forma alguma que a religião seja usada como meio de exploração monetária das pessoas nem como instrumento de intervenção estrangeira nos assuntos internos do país sobre os quais somente o próprio povo coreano tem autoridade para decidir.

Além disso, o artigo 66, no mesmo capítulo, ainda ressalta:

“Todo cidadão maior de 17 anos tem direito de eleger e ser eleito, sem distinção de sexo, nacionalidade, profissão, prazo de residência, propriedade, instrução, filiação partidária, ponto de vista político e CRENÇA RELIGIOSA. (…)”

As imagens desse artigo trazem algumas fotografias de igrejas cristãs na Coreia do Norte.

Algumas retratam uma missa em andamento na Catedral Changchung, no bairro de Songyo-guyok, nos arredores da cidade de Pyongyang. Essa igreja católica, originalmente, foi construída no século XIX, porém foi totalmente destruída por um bombardeio americano durante a Guerra da Coreia (Guerra de Libertação da Pátria) em 1950. Em 1988 ela foi reconstruída com doações dos fiéis copiando o estilo original. Hoje ela é a sede da Diocese de Pyongyang, que foi estabelecida em 1962.

67933666_779568889122943_4869992116182319104_n
A fachada da Catedral Católica de Changchung, na Coreia do Norte.

Este slideshow necessita de JavaScript.

67476424_779134752499690_8744025734974013440_n
Representantes da Catedral de Jangchung da Coreia do Norte se encontram pessoalmente com o Papa João Paulo II no Vaticano, década de 1980.

Em algumas fotos, pode-se ver também a Catedral Católica Ortodoxa da Santíssima Trindade, administrada pela comunidade da igreja ortodoxa na Coreia. Ela começou a ser construída em 2003 e em 2006 foi aberta ao público. Ela está localizada no bairro Jongbaek-dong, distrito de Rangrang.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Também está retratada a Igreja Pongsu, igreja cristã protestante, erigida em 1988 e realocada em uma nova construção, maior e com capacidade para 1.200 pessoas, em 2008.

67767693_779135415832957_4487218699412963328_n
A igreja protestante Bongsu.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Outra igreja presente nas imagens é a igreja evangélica Chilgol, fundada em 1899 e também destruída durante a guerra, em 1950, sendo reconstruída na década de 1980.

68252128_779134099166422_8391480963753836544_o
Fachada da igreja protestante Chilgol.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Outro grande mito sobre o cristianismo na Coreia do Norte é que pessoas que são pegas portando bíblias são fuziladas ou enviadas para a prisão. Essa é outra mentira. Bíblias não são livros proibidos na Coreia do Norte e são impressas com normalidade no país, sendo distribuídas nas igrejas para a realização dos serviços religiosos. No nosso post temos fotos de algumas delas.

67418849_779134265833072_3072219978326343680_o
Um exemplar de uma Bíblia Sagrada impressa na República Popular Democrática da Coreia, a Coreia do Norte.
Diferente da ideia que temos, bíblias não são proibidas na Coreia do Norte e qualquer um pode circular livremente com elas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

A maioria do povo norte-coreano, entretanto, não professa nenhuma fé e os que possuem religião, em sua maioria, são chondoístas, budistas ou adeptos de filosofias e religiões milenares tradicionais da Coreia e Ásia. A Coreia é uma nação milenar com mais de 5.000 anos de História e sua civilização foi construída com alicerces totalmente diferentes do Ocidente e não gostar do fato de que não há em cada esquina coreana uma igreja cristã é etnocentrismo e não faz qualquer sentido.

Logo, o número de cristãos é um pouco baixo, o que não significa, claro, que não existam.

Vale citar que muitas das vezes uma das raras oportunidades de norte e sul-coreanos se verem por um período extenso são durante as visitas de chefes religiosos cristãos da Coreia do Sul à igrejas norte-coreanas. Muitas caravanas de fiéis sul-coreanos também visitam a Coreia do Norte para rever antigos familiares (que ficaram divididos no outro Estado após a partilha da Coreia). Essas pessoas advogam pela causa da Reunificação da Coreia e são muito criticadas na Coreia do Sul, que não costuma tolerar com boas vistas relações, sejas elas quais forem, com os norte-coreanos.

67669723_779537512459414_143783109794463744_n
O reverendo Franklin Graham dos Estados Unidos durante uma missão evangélica na Coreia do Norte.
67788034_779537562459409_8951819783217610752_n
Oficial do Conselho Mundial de Igrejas durante uma visita à RPDC.
Na primeira foto, ele se encontra com Kim Yong Nam, na época o chefe-de-Estado da Coreia do Norte e membro do Presidium da Assembleia Popular Suprema.
Abaixo, o oficial oferece um serviço religioso.

Portanto, as notícias, muitas vezes absurdas – e que chegam a relatar execuções públicas com rolos compressores -, não passam de falsificações, boatos, fake news e ações de mau gosto que buscam distorcer a imagem da Coreia do Norte como um ‘inferno na Terra’.

VÍDEOS

A seguir, a indicação de alguns vídeos sobre o tema:

1. Vídeo de um turista que visitou a igreja católica e a filmou por dentro na Páscoa de 1988, ano de reinauguração do templo:

2. Culto evangélico completo realizado na Igreja Chilgol, Coreia do Norte:

3. Alejandro Cao de Benós, da Associação de Amizade com a Coreia, explica, em um trecho desse vídeo em espanhol, sobre a liberdade religiosa na Coreia do Norte:

4. Entrevista que um fotógrafo estrangeiro fez com um dos responsáveis da catedral católica de Pyongyang:

5. Vídeo de uma equipe de TV sul-coreana que visitou a igreja em 2002 e gravou um pequeno documentário com muitas imagens da missa:

 

* Leitura complementar indicada: Álbum fotográfico da página “O Outro Lado da Coreia do Norte” 

___________
REFERÊNCIAS:

1. De Pyongyang a la Habana: “¿Persecución de cristianos en Corea del Norte? Disponível em: https://depyongyangalahabana.blogspot.com/2013/06/persecucion-de-cristianos-en-corea-del.html

2. Fórum – LiveJournal: “CHANGCHUN КАФЕДРАЛЬНЫЙ СОБОР РИМСКО_КАТОЛИЧЕСКОЙ ЦЕРКВИ В ПХЕНЬЯНЕ”. Disponível em: https://remch-ch.livejournal.com/263104.html

3. Naenara: “Pongsu Church”. Disponível em: http://www.naenara.com.kp/en/society/?life+1+397

4. Naenara: “Jangchung Catholic Church”. Disponível em: http://www.naenara.com.kp/en/society/?life+1+337

_________________
Lucas Rubio
Presidente do Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1

Seminário sobre a Coreia Popular realizado no Mato Grosso do Sul

No dia 13 de setembro de 2019 foi realizada a atividade «A História do Socialismo e da Revolução na Coreia do Norte» na cidade de Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul. O evento contou com a participação de Lucas Rubio, Presidente do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil.

IMG-20190914-WA0038
Lucas Rubio, Presidente do CEPS-BR

A atividade aconteceu na Concha Acústica da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, a UFMS, e foi realizada com o apoio do PSOL-MS. Na plateia, esteve presente também membros da juventude do PSOL e do PCB.

Foi apresentado para o público a história da Coreia, desde sua fundação há 5.000 anos, passando pelo processo de revolução anti-colonial liderado pelo General Kim Il Sung, a Guerra da Coreia contra o imperialismo americano e a construção do socialismo ao estilo Juche. Foi explicada também a liderança revolucionária do Dirigente Kim Jong Il baseada na Política Songun de valorização militar e a conquista do grande poderio bélico sob a liderança do Marechal Kim Jong Un.

70883718_454243638521877_4835359582966513664_n

Foi evocado o 71º aniversário de fundação da República Popular Democrática da Coreia.

Ao fim, foram respondidas várias perguntas sobre o funcionamento interno do país, aspectos culturais, curiosidades e posições históricas e internacionais da Coreia.

O evento, primeiro do tipo na capital sul mato-grossense, foi uma oportunidade de difusão dos ideais revolucionários dos povos do mundo para a região brasileira e também uma afirmação de apoio, por parte da juventude, à heroica luta do povo coreano.

No fim, alguns participantes se fotografaram com a bandeira nacional do Brasil e da Coreia Socialista, registrando historicamente o primeiro ato público de solidariedade do MS à RPDC.

MS-Brasil-Coreia

_________________
Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1

CEPS-BR participou de simpósio na UFF

O Centro de Estudos da Política Songun do Brasil participou, no último dia 11 de setembro de 2019, do Simpósio Fluminense de Estudos Asiáticos da UFF: Faces da Ásia, promovido pelo CEA – Centro de Estudos Asiáticos da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Lucas Rubio, Presidente do CEPS-BR, apresentou-se com uma intervenção chamada “A Revolução na Coreia do Norte – o espírito de independência do desconhecido socialismo Juche e Songun”.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Na apresentação, foram mostradas fotografias que remontam aos primeiros anos da Revolução Coreana e da luta contra o Japão e os EUA empreendida pelo General Kim Il Sung. Além disso, foram abordados os temas da construção do socialismo ao estilo coreano Juche, da aplicação da Política Songun pelo General Kim Jong Il e das recentes conquistas econômicas, políticas e internacionais da Coreia Popular sob a direção do Marechal Kim Jong Un.

Foram respondidas diversas perguntas do público sobre diversos assuntos. Foi feito também um relato da viagem que o CEPS-BR fez à República Popular Democrática da Coreia em 2018.

____________
Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1

71 anos da fundação da RPDC

Há exatamente 71 anos se fundava a República Popular Democrática da Coreia, a Coreia do Norte.

A fundação do país ocorreu com a proclamação, pelo Presidente Kim Il Sung, da fundação de um Estado socialista em resposta a fundação de um Estado capitalista no sul da Coreia, influenciado e gerenciado diretamente pelos Estados Unidos. A consolidação da divisão nacional, iniciada em 1945, se deu com a fundação dos dois Estados, sendo a RPDC o único Estado legitimamente coreano e nacional.

Apenas dois anos depois da fundação da RPDC, em 1950, eclode a Guerra da Coreia – ou Guerra de Libertação da Pátria, como é conhecida no Norte – a guerra que buscou reagir às provocações americanas e expulsar os imperialistas americanos do Sul do país, construindo o socialismo em toda a Península unificada. 3 anos depois, em 1953, os EUA e a RPDC assinaram um armistício, num histórico momento em que os EUA não conseguiram completar seu plano de aniquilar o governo socialista do Norte.

Durante as décadas de 1960, 1970 e 1980, a RPDC se concentrou em desenvolver a sociedade, industrializando o país, criando sistemas nacionais de saúde e educação gratuitos e universais e aprofundando a Revolução.

Nos anos 1990, o país passou por grandes problemas econômicos e pressões estrangeiras, sendo cercado por um bloqueio sem precedentes. A Coreia então passou a recorrer à via das armas para reforçar sua posição anti-imperialista e defender sua soberania. O General Kim Jong Il governou o país nos momentos mais difíceis e transpassou o milênio mantendo o caráter popular e revolucionário da Coreia.

Hoje em dia, a RPDC se mantém como um país socialista, sob a direção do Marechal Kim Jong Un, sem desabrigados, desempregados, pessoas sem hospital ou escola e com índices econômicos e planos nacionais que buscam fazer da Coreia um país mais próspero e feliz.

São 71 anos de resistência ao imperialismo e de construção de uma nova via para a Humanidade.

VIVA OS 71 ANOS DA FUNDAÇÃO DA REPÚBLICA POPULAR DEMOCRÁTICA DA COREIA!

____________
Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1

História da Revolução Coreana difundida em escola de ensino fundamental

Hoje, no 71º aniversário de fundação da República Popular Democrática da Coreia, Lucas Rubio, Presidente do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil, participou de aula sobre a história da Revolução Coreana e da Guerra da Coreia em uma escola do município de Duque de Caxias, Rio de Janeiro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A aula abordou as origens da divisão nacional da Coreia, causada pelo desembarque das tropas dos Estados Unidos na Península Coreana em 1945, além da Guerra da Coreia e das pesadas dificuldades econômicas impostas pelo Ocidente contra a Revolução Socialista da Coreia. Também foi abordado o papel de liderança dos Generais Kim Il Sung e Kim Jong Il na construção do socialismo Juche e o destacado governo do Marechal Kim Jong Un.

Foi evocado o 71º aniversário de fundação da RPDC, ocorrido em 9 de setembro de 1948 pelo líder do povo, o Presidente Kim Il Sung.

Foram apresentados fotos e relatos da viagem feita pelo CEPS-BR à Coreia do Norte em setembro de 2018. As crianças fizeram várias perguntas sobre o funcionamento da Coreia Popular e seu sistema socialista, além de perguntas mais elaboradas sobre os direitos das mulheres e a sobrevivência da RPDC mesmo diante de terrível situação externa.

_________________
Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1

 

 

Realizado seminário sobre a Revolução Coreana na UFRJ

No dia 4 de setembro de 2019, no Salão Nobre do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, foi realizado o seminário chamado “História da Revolução Coreana”, apresentado pelo Centro de Estudos da Ideia Juche – Brasil e pelo Centro de Estudos da Política Songun – Brasil. Alexandre Rosendo e Lucas Rubio, membros das respectivas organizações, estiveram presentes.

Foi apresentado o panorama histórico e político da Coreia durante o século XX e o processo revolucionário da Coreia, passando pela formação da União para Derrubar o Imperialismo, fundado pelo Presidente Kim Il Sung, do Exército Popular Revolucionário da Coreia e pela libertação do país em 1945. Além disso, foi comentada a Guerra de Libertação da Coreia e o desenvolvimento do socialismo ao estilo coreano nos anos pós-guerra. Foi abordada a política militar da Coreia, a Política Songun, sob a perspectiva do incremento das forças de autodefesa do Exército Popular da Coreia.

No final, foram respondidas perguntas sobre a Ideia Juche e sobre fatos da Revolução.

Foram vendidos livros escrito pelos camaradas Kim Il Sung e Kim Jong Il no local, além de livros escritos pelos brasileiros sobre a Coreia.

_________________
Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1

CEPS-BR participa de congresso na UERJ

No dia 3 de setembro de 2019, o Centro de Estudos da Política Songun do Brasil participou do 1º Congresso Brasileiro de Teorias Críticas e Materialistas, promovido pelo coletivo Consciência Popular Livre na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Lucas Rubio, Presidente do CEPS-BR, apresentou sua intervenção intitulada “Desvendando mitos sobre a Coreia do Norte: o Socialismo Juche no Séc. XXI”.

69564449_372874390309773_186197062893699072_n
Lucas Rubio, Presidente do Centro de Estudos da Política Songun – Brasil (Foto: CPL Mídia)

Na ocasião, foi explicada as raízes históricas da Revolução Coreana, a luta anti-colonial conduzida pelo General Kim Il Sung, a guerra travada contra os EUA durante a Guerra da Coreia e também o desenvolvimento histórico do socialismo Juche e Songun. Foram também evocadas as façanhas dos camaradas Dirigente Kim Jong Il e Marechal Kim Jong Un.

69672588_660849557658519_2185766856172765184_n
Evento ocorreu na UERJ (Foto: CPL Mídia)

No final, foram respondidas perguntas dos participantes sobre os mais diversos assuntos envolvendo a República Popular Democrática da Coreia.

Você pode conferir o evento na íntegra pelo vídeo:

_________________
Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1

Apresentado seminário sobre a Revolução Coreana na USP

Em 29 de agosto de 2019, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, foi realizado com sucesso o seminário “História da Revolução Coreana: questões políticas e econômicas”, promovido pelo Centro de Estudos da Ideia Juche – Brasil e pelo Centro de Estudos da Política Songun – Brasil.

Apresentaram o seminário Alexandre Rosendo e André Ortega, do Centro de Estudos da Ideia Juche – Brasil e da Revista Opera e Lucas Rubio, do Centro de Estudos da Política Songun – Brasil.

IMG-20190829-WA0090IMG-20190829-WA0131

Foram abordadas questões históricas da Revolução Coreana e questões da atualidade do país. Foi explicada a Política Songun, o movimento de massas que prioriza os assuntos militares, bem como o desenvolvimento balístico e nuclear da República Popular Democrática da Coreia. Também foram discutidas as novas relações da RPDC com os EUA e com a Coreia do Sul.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Foram respondidas e debatidas diversas perguntas feitas pela plateia. No local, realizou-se a venda de livros e publicações teóricas sobre a Coreia.

O CEPS-BR e o CEIJ-BR agradece a presença de todos!

________________
Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1