Escute nossa live sobre Revolução Coreana com o PCB Piauí

No dia 13 de abril de 2020, o camarada Lucas Rubio, Presidente do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil, participou de uma live promovida pela célula do Partido Comunista Brasileiro (PCB) da Zona Sul de Teresina, Piauí.

O tema foi a história da Revolução Coreana e a experiência socialista do Juche e do Songun na República Popular Democrática da Coreia.

Foram respondidas inúmeras perguntas ao longo da exposição e você pode ouvir o áudio completo clicando aqui.

pcb.zs_93448509_943937369391464_8388218753546375287_n
Pôster da live promovida pelo PCB – Piauí

______________
CEPS-BR

Confira a entrevista do CEPS-BR para rádio do Uruguai

No dia 15 de abril de 2020, em razão do 108º aniversário de nascimento do Presidente Kim Il Sung, a rádio CX36 Radio Centenario de Montevideo, que transmite para o Uruguai e toda a América Latina, entrevistou o camarada Lucas Rubio do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil.

A entrevista, conduzida pelo radialista Hernán Salina, falou sobre a vida revolucionária do Presidente Kim Il Sung e também abordou o processo socialista da Coreia. O camarada Lucas Rubio também falou das suas experiências durante a visita que realizou ao país em 2018.

Continuar lendo “Confira a entrevista do CEPS-BR para rádio do Uruguai”

CEPS-BR realiza seminário online sobre KIM IL SUNG e Ideia Juche

No dia 10 de abril de 2020 o Centro de Estudos da Política Songun do Brasil realizou um seminário online sobre os 108 anos de nascimento do Presidente Kim Il Sung, a serem comemorados no próximo dia 15, e sobre os 38 anos de publicação da obra «Sobre a Ideia Juche», escrita pelo Dirigente Kim Jong Il.

Na reunião, participaram distintos convidados que falaram durante 3 horas sobre a Revolução Coreana, a vida revolucionária do General Kim Il Sung e também sobre as bases teóricas e práticas da Ideia Juche.

Continuar lendo “CEPS-BR realiza seminário online sobre KIM IL SUNG e Ideia Juche”

Escute o nosso “podcast” sobre o Coronavírus na Coreia do Norte

O camarada Lucas Rubio, Presidente do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil, realizou no último dia 27 de março uma transmissão ao vivo no canal do YouTube do CEPS-BR falando sobre a situação do Coronavírus na Coreia Popular e explicando quais as ações do governo evitaram a entrada da Covid-19 no país.

Também foi discutida a carta enviada pelo presidente dos EUA Donald Trump ao Máximo Dirigente Kim Jong Un elogiando seus esforços no combate à epidemia.

Continuar lendo “Escute o nosso “podcast” sobre o Coronavírus na Coreia do Norte”

Publicada entrevista sobre a Política Songun

A página do Facebook Coreia do Norte em Foco publicou no dia 14 de março de 2020 uma entrevista realizada por eles com o Presidente do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil, o camarada Lucas Rubio.

A entrevista é reproduzida a seguir:

Lucas Rubio: Antes de mais nada, nós do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil gostaríamos de agradecer a oportunidade de sermos entrevistados por vocês! Hoje em dia no Brasil, diferente do que acontecia há alguns anos, temos muito mais veículos de informação e desmistificação sobre a Coreia do Norte e vocês fazem parte disso.

Coreia do Norte em Foco: 1. O que significa Songun?

Lucas Rubio: “Songun” é um termo moderno na língua coreana que significa literalmente algo como “linha militar” ou “militares primeiro”. É uma política que foi delineada pelo Presidente Kim Il Sung e implementada pelo Dirigente Kim Jong Il que prioriza os assuntos militares na defesa da pátria e no transcurso da Revolução.

O Songun é fruto de uma análise materialista da História e da realidade da Revolução Coreana. Desde os primeiros anos da Luta Armada Anti-Japonesa, liderada pelo General Kim Il Sung na década de 1920, foram o Exército e os soldados os elementos centrais que conduziram o processo revolucionário da Coreia, desencadeando na libertação do país da ocupação japonesa em 1945. Depois, em 1950, quando eclodiu a Guerra de Libertação da Pátria, momento no qual os imperialistas estadunidenses invadiram a recém formada República Popular Democrática da Coreia para abater totalmente a experiência socialista e independentista do povo coreano, foi mais uma vez o Exército Popular da Coreia o bastião da soberania nacional e do socialismo ao estilo coreano.
Nos anos 1990, quando a Coreia Popular passava por grandes dificuldades econômicas e geopolíticas por conta do fim do bloco socialista liderado pela URSS (que era responsável por boa parte do comércio exterior da Coreia), do cerco imperialista promovido pelos EUA e também por conta dos desastres naturais que abalaram a economia nacional, o Dirigente Kim Jong Il fez uma leitura histórica muito correta e analisou que em todos os momentos importante da Revolução Coreana havia sido o Exército Popular a garantir a independência do país e o caráter popular do Estado. Então nasceu o que chamamos de Política Songun, que centralizou as atenções e recursos da RPDC no Exército, com o objetivo de modernizá-lo e transformá-lo numa poderosa força de auto-defesa.

A Revolução Songun significa não só dar atenção e prioridade aos assuntos militares como também preparar todos os cidadãos para defender a Pátria e também educar ideologicamente todo esse Exército na ideologia revolucionária da Coreia, a Ideia Juche. Isso significa que os militares começaram a tomar parte ativa na construção socialista, participando da vida econômica do país, atuando nas construções de grandes obras da pátria, como prédios, diques, barreiras hidrelétricas, cidades, etc.

Songun para além de reforçar as defesas do país também significa reforçar o espírito revolucionário do povo coreano.

Coreia do Norte em Foco: 2. Qual a importância do programa nuclear para a defesa da nação norte-coreana?

Lucas Rubio: A RPDC tem uma história de luta muito longa contra inimigos externos muito poderosos que por várias vezes ameaçaram sua existência de modo grave. Por exemplo, durante a Guerra de Libertação da Pátria, que conhecemos pelo nome de Guerra da Coreia, o Exército dos Estados Unidos, sob o comando de Douglas MacArthur, chegou a cogitar usar armas nucleares contra o povo da Coreia Popular para alcançar uma vitória militar rápida tendo em vista que as investidas militares tradicionais estavam falhando.

Depois da assinatura do armistício da guerra, que aconteceu em 1953, a RPDC passou décadas e décadas convivendo com o fantasma da guerra nuclear já que os EUA enviaram e posicionaram armas nucleares nos territórios do Japão e da Coreia do Sul, apontando-as para a Coreia do Norte.

Quando na década de 1990, sem a presença da URSS e externamente muito frágil, a Coreia precisou revisar seus planos de defesa, foi concluído que era muitíssimo caro e inviável investir em tanques, aviões ou outros equipamentos do Exército que na verdade nem são eficientes no território coreano, que é muito acidentado e irregular. Sendo assim, mais uma vez sob a luz da Ideia Juche, que teoriza a análise concreta da realidade do país, o povo coreano decidiu que o mais adequado era desenvolver justamente armas atômicas como forma de dissuasão nuclear contra os EUA.

Naquele momento, e até hoje, os EUA cercavam o país de todas as formas, impondo bloqueios econômicos, políticos e diplomáticos que causavam uma degradação econômica e humanitária muito grave na Coreia do Norte. A ameaça de uma guerra era muito real.
Determinados a defender o socialismo e a independência à todo custo, e amparados pelas ciências do Juche e do Songun, os cientistas e técnicos da Coreia Popular começaram a trabalhar arduamente no desenvolvimento criativo de armas nucleares que deveriam ser produzidas com tecnologia totalmente nacional.

Quase como um milagre, uma vez que é muito difícil desenvolver tal tecnologia, em 2006 o povo coreano alcançou uma grande vitória ao testar o seu primeiro artefato nuclear. O evento mudou para sempre as relações da Coreia do Norte com o mundo.

Já sob a liderança do Marechal Kim Jong Un, o povo coreano viu o seu prestígio internacional crescer ainda mais como uma potência nuclear respeitada. Em 2016, o país testou com sucesso sua primeira arma nuclear de hidrogênio, um evento notável. Mas foi em 2017 que a vitória final na tecnologia nuclear e balística chegou para a Coreia. Acompanhando a progressão histórica dos testes de mísseis balísticos, em julho de 2017 a RPDC testou com sucesso o seu primeiro míssil com alcance intercontinental, capaz de atingir, por exemplo, qualquer ponto dos EUA. Essa vantagem tática serviu de argumento para que o Presidente dos EUA, Donald Trump, aceitasse baixar o tom hostil contra a Coreia e iniciasse diálogos de negociação. Por mais que tais diálogos não tenham resolvido a questão de fato, a Coreia teve sua voz ouvida e sua independência mantida através de sua própria força.

Acho que vale destacar aqui que o desenvolvimento de armas nucleares nunca visou o ataque real, mas sim a defesa do Estado socialista. A Coreia sabe muito bem sua posição no mundo e seu poderio perante o inimigo. E por mais que pareça contraditório, foi justamente o desenvolvimento de tais armas táticas e com alto poder destrutivo que manteve a Península Coreana em paz – os EUA reconsideraram seriamente qualquer atitude de ataque contra a Coreia do Norte, uma vez que a resposta coreana seria amarga demais. O equilíbrio foi alcançado.

Coreia do Norte em Foco: 3. Qual o objetivo principal do CEPS?

Lucas Rubio: Para além de estudar a Política Songun, que é a política militar do país, temos como pontos centrais de atuação a disseminação da experiência revolucionária da Coreia Popular, a desmistificação das inúmeras mentiras que são inventadas e espalhadas sobre esse país, bem como a popularização do tema no Brasil e a promoção do intercâmbio político e cultural entre o povo brasileiro e o povo coreano.

Em 2018, nós fomos convidados pelo próprio governo da Coreia Popular para visitar o país. Na ocasião, acompanhamos os festejos de comemoração aos 70 anos de fundação do Estado da República Popular Democrática da Coreia e ficamos 10 dias no país, participando de vários eventos, conhecendo vários lugares de lá e tivemos até mesmo a chance de ver o Marechal Kim Jong Un na nossa frente.

Durante nossos poucos anos de atuação, fomos capazes de popularizar bastante o tema, disponibilizando para as pessoas informações e materiais de estudo sobre a Coreia na internet, através de nosso site e biblioteca virtual, e também fora dela: realizamos todos os anos uma extensa agenda de eventos, seminários e cursos sobre os mais diferentes temas que englobam a Coreia do Norte em diversas partes do Brasil.

Já fizemos atividades em escolas, universidades, sindicatos, auditórios e assentamentos em vários estados brasileiros e pretendemos ir ainda mais além assim que possível. Por essas nossas atividades, já fomos várias vezes mencionados na mídia estatal da Coreia Popular e um dos nossos antigos membros chegou até a ser condecorado pela Assembleia Popular Suprema da RPDC, o maior órgão do Poder Popular de lá.

Com essas atitudes, não só queremos levar para as pessoas um outro ponto de vista sobre a Coreia do Norte, mais científico e realista, como também promover entre o povo brasileiro o espírito de independência e fomentar a perspectiva de mudança da realidade através de uma revolução popular, à exemplo dos nossos camaradas coreanos que fizeram isso com grande sucesso.

Coreia do Norte em Foco: 4. Como nossos seguidores podem acompanhar as atividades do CEPS nas redes?

Lucas Rubio: Temos vários canais pela internet e fora dela onde postamos muitas coisas interessantes sobre a Coreia Popular.

A nossa página no Facebook é um dos mais conhecidos meios, mas também temos o nosso site e canal no YouTube; além da página central, também administramos a página “O Outro Lado da Coreia do Norte”. O meu próprio perfil pessoal – Lucas Rubio – é um lugar onde constantemente escrevo e comento sobre o assunto. Fora da internet, temos programadas para esse ano reuniões mensais no Centro da cidade do Rio de Janeiro. Quem se interessar, pode nos seguir, os endereços são os seguintes:

Página no Facebook >> https://www.facebook.com/CEPSBR/

Site na internet >> https://cepsongunbr.wordpress.com/

Canal do YouTube >> https://www.youtube.com/channel/UC001pdZ7vaiksSDtyvlgmMg

Página O Outro Lado da Coreia do Norte >> https://www.facebook.com/OOutroLadodaCoreiadoNorte/

_______________
Centro de Estudos da Política Songun do Brasil
(em colaboração com Coreia do Norte em Foco)

Realizado seminário latino-americano sobre a Ideia Juche pela internet

No dia 14 de fevereiro de 2020 foi realizado pela internet um seminário promovido pelo Movimento Juvenil por uma América Latina Independente e pelo Centro de Estudos da Política Songun do Brasil. O tema foi «A Ideia Juche e a Auto-suficiência» e participaram do seminário importantes estudiosos do assunto em toda a América Latina.

O seminário foi conduzido por Lucas Rubio, Presidente do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil e Responsável de Publicações do Movimento Juvenil por uma América Latina Independente.

O seminário teve como objetivo, além de discutir a Ideia Juche e suas contribuições para a América Latina, celebrar os 78 anos de nascimento do Eterno Dirigente Kim Jong Il.

Participaram na ocasião pessoas do Brasil, Venezuela, Peru, México, Equador e Colômbia.

Na transmissão ao vivo, além de Lucas Rubio, participou Roberto Carbonel, Presidente do Instituto para o Estudo da Política Songun do Peru. Os outros membros enviaram discursos que foram lidos no seminário.

No começo, Lucas Rubio leu mensagens enviadas pelo Secretariado da Associação Coreana de Cientistas Sociais, do Dr. Dermot Hudson, da KFA Reino Unido, e do Dr. Ramón Jiménez, Diretor Geral do Instituto Internacional da Ideia Juche e Presidente do Instituto Latino-Americano da Ideia Juche.

Depois, foram lidos os discursos. Em todos eles, se enalteceram os grandes feitos dos camaradas Kim Il Sung e Kim Jong Il, fundador e desenvolvedor da Ideia Juche, além de se ressaltarem as grandes vitórias do povo coreano que se guia por essa ideologia. Foi também abordada a questão da independência e da centralidade do homem dentro da Filosofia Juche e as contribuições que esse ideal pode dar para a libertação da América Latina e a construção de um país soberano e auto-suficiente.

Acompanhe a transmissão:

________________
Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

Máximo Dirigente Kim Jong Un recebe certificado do Brasil

Pyongyang, 10 de dezembro de 2019 (ACNC) — O Máximo Dirigente Kim Jong Un recebeu o certificado “Moção de Louvor e Reconhecimento” que lhe outorgou a Assembleia da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil.

Em reconhecimento às façanhas realizadas pelo Máximo Dirigente que fez contribuição à causa da reunificação independente da Coreia e à manutenção da paz e segurança do mundo e dedica tudo pela felicidade do povo frustrando a brutal campanha de sanção e pressão das forças hostis, a referida assembleia brasileira decidiu conceder-lhe a distinção que se outorga aos beneméritos extraordinários.

O certificado foi entregue no dia 29 de novembro ao embaixador coreano no Brasil.

____________________
KCNA
Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

CEPS-BR promove homenagem da cidade do Rio de Janeiro ao Marechal KIM JONG UN

O Centro de Estudos da Política Songun do Brasil promoveu um encontro entre o vereador da cidade do Rio de Janeiro, Leonel Brizola, e o Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República Popular Democrática da Coreia no Brasil, o Sr. Kim Chol Hak, no dia 29 de novembro de 2019.

Durante as conversações, foram discutidas questões de intercâmbio cultural e econômico entre a Coreia do Norte e o Rio de Janeiro. Acompanhado do Sr. Kim Jong Chol, Segundo Secretário da Embaixada da RPDC, o Embaixador Kim Chol Hak sugeriu que o Rio de Janeiro seja transformado em uma cidade irmã da cidade coreana de Nampo, na costa oeste do país.

O Presidente do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil, Lucas Rubio, esteve presente promovendo o encontro.

Ao fim das conversações, foi entregue pelo vereador Leonel Brizola uma Moção de Louvor e Reconhecimento ao Embaixador Kim Chol Hak pelo seu trabalho diplomático no Brasil para estreitar os laços de amizade entre o povo coreano e brasileiro.

Também foi entregue uma Moção de Louvor e Reconhecimento ao Máximo Dirigente Kim Jong Un por seu trabalho pela paz mundial e a reunificação pacífica da Coreia.

Ao fim do encontro, ambas as partes se fotografaram e o camarada Embaixador prestou uma entrevista à TV Câmara.

222
(Foto: ASCOM vereador Brizola)
78185954_2588125804598320_5355341695716163584_o (1)
(Foto: ASCOM vereador Brizola)
78714830_2588126274598273_1953790875037335552_o
(Foto: ASCOM vereador Brizola)
IMG_20191129_163714.jpg
(Foto: CEPS-BR)

____________
Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1

CEPS-BR realizará seminário com embaixador da Coreia do Norte no Brasil

O Centro de Estudos da Política Songun – Brasil realizará sua última reunião do ano e receberá para isso o Excelentíssimo Sr. Kim Chol Hak, Embaixador da República Popular Democrática da Coreia no Brasil.

O seminário «Revolução e Exército: a política militar da Coreia do Norte» ocorrerá no dia 29 de novembro de 2019, às 18h30min, no Salão Nobre da Faculdade de Direito da UERJ, no 7º andar, bloco F.

Na ocasião, o embaixador falará sobre a Política Songun da Coreia e responderá perguntas do público.

Contamos com sua presença e divulgação!

Link do evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/531980394020191/

cartaz5-final.jpg

_______________
Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

1-1

Sobre os 3 anos do Centro de Estudos da Política Songun – Brasil

Outubro é um mês muito especial para nós. Comemoramos no dia 6 desse mês o estabelecimento do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil. Enquanto o dia 6 de outubro marca a data formal da fundação de nosso grupo, o dia 7 marca o lançamento da nossa página no Facebook, um dos nossos principais meios de comunicação.

Nossa primeira reunião presencial ocorreu no dia 16 de fevereiro de 2017, data em que marcamos os 75 anos de nascimento do General Kim Jong Il e iniciamos de fato as nossas atividades. Nesse importante evento, realizado na UERJ, nós contamos com a presença de amigos e camaradas muito caros para nós e que até hoje nos auxiliam muito com nosso trabalho, como o Centro de Estudos da Ideia Juche – Brasil e a Associação da Amizade Brasil-Coreia, comandada pela camarada Rosanita Campos.

EImvUXVzMHY
Nosso primeiro encontro: fevereiro de 2017.

Foi também muito simbólico no nosso início de atividades a gentil carta que recebemos do camarada Dr. Dermot Hudson da Inglaterra, presidente de vários grupos daquele país que estuda há anos a Coreia e que na época foi a primeira organização internacional a congratular a formação de um grupo no Brasil para o estudo da Política Songun. Em julho desse ano de 2019 tivemos a chance de realizar um histórico encontro com o camarada Dermot Hudson em um dos maiores eventos que já organizamos.

55
O camarada Dermot Hudson durante sua visita ao Brasil e participação em um evento do CEPS-BR junto do camarada Lucas Rubio.

Nesses 3 anos que se passaram, nosso Centro de Estudos passou de ideias para realizações. Temos feito, desde então, inúmeras atividades em diversas partes do Brasil e do mundo em uma incansável marcha não apenas para estudar a República Popular Democrática da Coreia mas também para provocar a reflexão entre as pessoas de que o caminho do socialismo é o caminho a ser seguido pelos povos do mundo que desejam viver livres e felizes.

Durante nossa existência, realizamos seminários, palestras, aulas, videoconferências, participamos de entrevistas, escrevemos livros, realizamos atos de apoio e de protesto e muitas outras formas mais de divulgação da Ideia Juche e Ideia Songun.

Talvez um dos pontos mais altos nesses 3 anos do nosso Centro de Estudos foi a visita de 10 dias que realizamos em setembro de 2018 à República Popular Democrática da Coreia à convite da Associação Coreana de Cientistas Sociais para as comemorações pelos 70 anos de fundação da República. O CEPS-BR esteve presente na minha figura.

 

IMG_20180905_103101_HDR
Lucas Rubio diante das estátuas dos líderes Kim Il Sung e Kim Jong Il na Colina Mansu, Pyongyang, República Popular Democrática da Coreia.

É valioso o trabalho dos demais camaradas do nosso Centro de Estudos que atuam em outros estados brasileiros, como os companheiros Gabriel Tanan e Fabio Khachaturian, em São Paulo.

Em três anos, no Brasil, estivemos participando de atividades no Rio de Janeiro, onde nos concentramos, mas também estivemos em São Paulo, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e futuramente pretendemos estar em muitos outros lugares do nosso país, conhecendo nossa gente, nossas necessidades e levando a cada rincão a experiência da Revolução Coreana como inspiração para nossa própria Revolução. Além desses lugares, estivemos também presentes durante o Seminário Latino-Americano da Ideia Juche, realizado na Venezuela, em outubro de 2018, onde pudemos não só presenciar como também fundar ativamente o Movimento Juvenil por uma América Latina Independente, no qual estamos com nossos trabalhos atrelados.

Reunindo tudo que produzimos nesses três anos, temos a certeza de que nosso trabalho está sendo realizado com grande responsabilidade, carinho e afinco. São milhares de artigos na internet, além de inúmeros materiais audiovisuais e vidas atravessadas pelos eventos que fizemos e ainda faremos.

De grande peso e inestimável também foi e é o apoio que recebemos dos simpáticos camaradas da Embaixada da RPDC no Brasil, que nos munem com informações, livros e apoio moral. Descobrimos ali verdadeiros irmãos trabalhadores que nada querem além de defender seu país e ajudar na construção de um mundo novo e livre. Com eles também realizamos e participamos de seminários e apresentações que marcaram todos os envolvidos.

30420459_2007250322680243_8474246616939405880_o
O camarada Lucas Rubio, Presidente do CEPS-BR, o camarada Fabio Khachaturian, vice-presidente do CEPS-BR e os companheiros da Embaixada da RPDC.
53111219_2651259504945985_8618515847008223232_o
Evento realizado no Rio de Janeiro com os camaradas Embaixador da RPDC no Brasil, Kim Chol Hak, e Myong Chol, Conselheiro Político da Embaixada da RPDC no Brasil.

Nosso agradecimento também deve ir aos camaradas da Liga Latino-Americana dos Irredentos, que deram suporte e sediaram alguns dos eventos mais simbólicos que o CEPS-BR já realizou. Como grupo político de construção do socialismo ao estilo latino-americano, os camaradas dos Irredentos nos deram um importante espaço para falar sobre a Coreia Popular e sua revolução anti-imperialista e socialista.

Incomparável também foi o apoio que temos dos companheiros da Tribuna da Imprensa Livre, que desde nossos primeiros momentos estão presentes em nossos eventos e que também cederam valioso espaço em suas mídias para nossos artigos e atividades.

Também nosso muito obrigado para a TV Comunitária do Rio de Janeiro, que algumas vezes realizou entrevistas para a TV conosco, levando a um grande número de pessoas informações que a TV geralmente não diz sobre a Coreia do Norte.

O apoio e ajuda da Revista Intertelas e do companheiro João Cláudio Pitillo também são dignos de nota.

Estendemos também nossos agradecimentos aos companheiros das Edições Nova Cultura, da Juche TV, do Movimento Nova Pátria e também a Associação Cultural José Martí do Rio de Janeiro por apoio em diversos momentos.

Nada disso teria sido possível, é claro, sem a recepção e ajuda impressionante que recebemos do público e de diversas outras organizações e páginas que não só nos apoiam moralmente como também divulgam nosso trabalho, nos convidam para produzir novas coisas e contribuem de maneira inestimável nesse caminho.

IMG-20190829-WA0127
Estamos construindo, no Brasil, uma poderosa aliança de amizade entre o povo brasileiro e o povo coreano. Na foto, recente evento realizado em São Paulo.
MS-Brasil-Coreia
A amizade internacionalista com a Coreia tem conquistado vários estados brasileiros. Na foto, nós no Mato Grosso do Sul durante evento realizado com o apoio do PSOL-MS e entidades de luta.

Por cada lugar que tivemos, recebemos calorosas boas-vindas das pessoas que se interessam muito pelo tema ou até mesmo que possuem uma visão muito negativa sobre a Coreia Popular mas que, após ouvir um pouco do que temos a dizer, sempre retornam contando que estão refletindo e mudando sua opinião. Na internet, não só brasileiros como também camaradas de outros países do mundo saúdam nossos esforços e constroem conosco uma grande rede de informações e apoio à justa causa revolucionária da Coreia.

Nosso trabalho só é possível graças a vocês que estão desse lado nos lendo, nos ouvindo, nos apoiando. A vocês, nossos sinceros agradecimentos!

Desejo a todos que estão conosco boas realizações e desejo ao nosso tão caro Centro de Estudos da Política Songun do Brasil muitos anos mais de existência e de feitos ainda maiores e mais marcantes.

Viva o Centro de Estudos da Política Songun do Brasil!
Viva a Revolução Coreana!
Viva a Revolução Brasileira!

Lucas Rubio

Presidente do Centro de Estudos da Política Songun – Brasil