Confira a entrevista do CEPS-BR para rádio do Uruguai

No dia 15 de abril de 2020, em razão do 108º aniversário de nascimento do Presidente Kim Il Sung, a rádio CX36 Radio Centenario de Montevideo, que transmite para o Uruguai e toda a América Latina, entrevistou o camarada Lucas Rubio do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil.

A entrevista, conduzida pelo radialista Hernán Salina, falou sobre a vida revolucionária do Presidente Kim Il Sung e também abordou o processo socialista da Coreia. O camarada Lucas Rubio também falou das suas experiências durante a visita que realizou ao país em 2018.

Você pode ouvir toda a entrevista e também lê-la no site da Rádio Centenário CX36.

Áudio da entrevista:

Acesse aqui e leia a entrevista (em espanhol)

Entrevista em português:

“A COREIA DO NORTE É UM EXEMPLO DE COMO UM PROJETO INDEPENDENTE E SOBERANO PODE SER CONSTRUÍDO DIANTE DO IMPERIALISMO”
Contato com Lucas Rubio do Brasil, 15 de abril de 2020.

Hernán Salina: Bem, vamos falar sobre um povo que desenvolveu uma história de luta contra sucessivos invasores e que conseguiu ter sucesso e construir seu próprio caminho de socialismo. Estamos falando da República Popular Democrática da Coreia que hoje está vivendo um aniversário muito especial sobre o qual conversaremos com quem estamos do outro lado do telefone, que está no Rio de Janeiro, Brasil.
É o jovem brasileiro Lucas Rubio, 23 anos, presidente do Centro de Estudos da Política Songun do Brasil, responsável pelo estudo da política militar coreana e também pelo socialismo coreano Juche. Porta-voz do Movimento Juvenil por uma América Latina Independente, Lucas é um estudante de russo na Universidade Federal do Rio de Janeiro e também ensina esse idioma.
Lucas, seja bem-vindo à Radio Centenario, um prazer em recebê-lo.

Lucas Rubio: Olá a todos os companheiros do Uruguai. Muito obrigado pelo convite. Prazer em falar com vocês.

HS: Bem, digamos que você teve a oportunidade, há alguns anos, de viajar e conhecer a Coreia Socialista, você nos contará um pouco dessa experiência.
Mas vamos começar dizendo às pessoas por que seu interesse na Coreia e essas questões, Lucas.

LR: Meu interesse nasceu nas coisas que na mídia, televisão e internet normalmente vemos sobre a Coreia: que é um país muito ruim, com grandes problemas econômicos, que tem uma ditadura.
Fiquei muito curioso com esse processo, porque me pareceu que tudo estava muito ruim na Coreia; fui pesquisar, procurei materiais sobre a realidade do povo coreano e fiquei surpreso porque descobri uma verdadeira revolução popular de mais de 70 anos na Coreia. Um povo independente que luta todos os dias contra a interferência estrangeira do imperialismo americano, que teve uma grande luta contra o imperialismo japonês, também o americano, que passa por dificuldades econômicas com bloqueios econômicos, mas que também continua a construir um país próspero para e por seu povo.
Depois fui investigar a Ideia Juche e a Política Songun, que são as ideologias revolucionárias do povo coreano criadas pelo presidente Kim Il Sung, Fiquei novamente impressionado com a qualidade ideológica dessas ideias.
Desde então, dediquei-me ao estudo estratégico da República Popular Democrática da Coreia, da revolução anti-imperialista e independentista do povo coreano.

HS: Estamos conversando com você, Lucas, em um dia que cumpre mais um aniversário de nascimento, em 15 de abril de 1912, do líder revolucionário que levou esse processo revolucionário à vitória que foi Kim Il Sung. O que podemos dizer sobre ele como uma figura revolucionária?

LR: Sim, é verdade, há 108 anos, em 15 de abril de 1912, nasceu o camarada Kim Il Sung, um patriota coreano que, quando era muito jovem, deixou sua casa na cidade de Pyongyang e lutou contra a ocupação japonesa na Coreia.
A ocupação japonesa da Coreia começou em 1910, o que causou muitos infortúnios ao povo coreano pela exploração dos recursos humanos e materiais da Coreia.
Kim Il Sung foi o primeiro líder revolucionário coreano a lutar contra a ocupação estrangeira do Japão, ele criou uma guerrilha revolucionária, uma guerra revolucionária que unia o povo coreano contra a invasão do Japão, montando um movimento nacional de resistência baseado na ideologia dos próprios coreanos, que a chamam de Ideia Juche.
Em 1945, a luta revolucionária do camarada Kim Il Sung libertou com sucesso a Coreia da ocupação japonesa.
Mas apenas 5 anos depois, no ano de 1950, os Estados Unidos que estavam ocupando a metade sul da Coreia, iniciaram a Guerra da Coreia para destruir a República Popular Democrática da Coreia, a experiência socialista, com vistas de ter hegemonia e poder local contra União Soviética e contra a China, uma vez que a Península Coreana está muito próxima desses dois países.
Assim, entre os anos de 1950 e 1953, o camarada Kim Il Sung voltou a liderar o povo coreano na luta contra outro imperialismo, o imperialismo americano, a invasão norte-americana da Coreia, no que foi a chamada de Guerra da Coreia, o que também trouxe muita destruição ao povo coreano. Mais de 2 milhões de pessoas foram mortas neste conflito, e ainda lutando em condições desiguais porque os coreanos não tinham a tecnologia ou as forças dos Estados Unidos, a superpotência global após a Segunda Guerra Mundial. Os coreanos alcançaram o sucesso mais uma vez em 1953, e os Estados Unidos assinaram o armistício da Guerra da Coreia.

HS: Claro, porque muitas vezes eles falam sobre a derrota que os EUA sofreram no Vietnã anos depois, mas pouco falam sobre a derrota que sofreram na Coreia.

LR: Exatamente, porque foi a primeira derrota militar dos Estados Unidos e foi na Coreia, graças à liderança sábia do camarada General Kim Il Sung, que liderou o povo coreano em seu ideal de independência e socialismo.

HS: Ele também, além do triunfo militar onde foram resistindo a um poder tão importante no aspecto militar como os Estados Unidos, nos dizem também, os camaradas que viajam para lá, que, por exemplo, uma montanha onde ele estava no processo revolucionário foi reduzida e diminuiu em altura pelos bombardeios de forma considerável.

LR: Sim, a destruição promovida pelos Estados Unidos, não há outra na história. Um dado para comparação: os EUA atacaram a Coreia com mais bombas do que as usadas durante toda a Segunda Guerra Mundial.
Portanto, o nível de destruição das cidades, da estrutura da Coreia, era algo gigantesco.
Após a guerra, o camarada Kim Il Sung voltou a liderar o povo coreano na reconstrução da nação, construindo um socialismo de estilo coreano chamado Juche.
Os primeiros sistemas de saúde e educação públicos gratuitos e universais foram estabelecidos na Coreia Socialista. A libertação das mulheres também ocorreu com a assinatura das leis de igualdade entre homens e mulheres, algo que estava acontecendo pela primeira vez na história da Coreia.
Estas são algumas das grandes conquistas do povo coreano em seu processo

HS: Como você poderia resumir brevemente, para que possamos falar sobre como que era, o que você pôde ver diretamente em sua viagem à Coreia? Como resumir essas guias, que são a Ideia Juche e a Política de Songun? Em que elas consistem?

LR: Estive na Coreia em 2018 para a comemoração dos 70 anos de fundação da República Popular Democrática da Coreia, a convite da Academia Coreana de Cientistas Sociais.
Durante 10 dias, pude ver, olhar, ouvir e viver entre o povo coreano; visitei muitas fábricas, escolas, hospitais, museus, monumentos e também participei de cursos do Partido e pude ver e verificar que o povo coreano tem uma vida muito diferente da nossa. Como tudo na Coreia pertence ao povo, é feito para o povo, todas as habitações, por exemplo, são gratuitas, você não paga por isso, o Estado concede ao cidadão o direito a uma casa. O mesmo com o trabalho: todo mundo tem um emprego, não há pessoas nas ruas pedindo dinheiro ou com fome, o que não é possível na Coreia, porque todas as pessoas lá têm emprego.
Os filhos dos trabalhadores estão todos nas escolas, todas as crianças, que também é gratuita (a educação).
Se eles têm um problema de saúde, também podem ir a hospitais que são grandes, públicos e gratuitos.
Portanto, por mais que tenham muitas dificuldades econômicas por causa dos bloqueios que os Estados Unidos impõem à Coreia, os coreanos tentam seguir um caminho independente.
A isso chamam de Ideia Juche, que é um socialismo criado pelo presidente Kim Il Sung nos anos da luta anti-japonesa, que combina as características do socialismo clássico com as características da Coreia, com as necessidades dos novos tempos da Coreia.
Então o socialismo Juche clama e tem como bandeira principal a independência, a auto-suficiência, que é um ideal universal do Juche.
Ao mesmo tempo, a Política Songun é como uma filha da Ideia de Juche, por assim dizer, porque nasceu na tradição da luta armada contra invasores estrangeiros. A Política Songun surgiu na Coreia nos anos 90, quando os Estados Unidos estavam fazendo um cerco e ameaças contra a República Popular Democrática da Coreia e o camarada Kim Jong Il, que foi o segundo líder da República Popular, decidiu em conjunto com o povo coreano que a questão militar do Exército Popular deviria ser importante nas discussões nacionais para garantir a defesa nacional contra invasões e hostilidades inimigas.
Assim, com a Política Songun, a Coreia criou bombas nucleares, por exemplo, que não visam a destruição do mundo ou algo assim, apenas a autodefesa do povo coreano contra o grande império e a grande ameaça que são os Estados Unidos.

HS: Poderíamos dizer que eles também desenvolvem um conceito, como aconteceu com o povo vietnamita, mesmo com Cuba, de guerra popular, de uma defesa popular, caso também sejam atacados?

LR: Sim, todas as pessoas estão em constante treinamento para a defesa da nação.
Há uma coisa na Coreia chamada Guarda Vermelha Operário-Camponesa que prepara todo o povo para estar pronto em um momento de invasão estrangeira; todos defendem a Pátria com amor pelo povo e pelo socialismo ao estilo coreano.

HS: Bem, você resumiu muito bem esses dois conceitos centrais.
Conte-nos um pouco mais do que você pôde ver diretamente lá, lugar onde só imaginamos nós, ocidentais, carregados de séculos de preconceito com uma visão muito parcial de todo o mundo oriental, tanto nas culturas árabes quanto nesse tipo de cultura com o Japão, com a China, com o Vietnã, Coreia, onde realmente sabemos muito pouco sobre a realidade dessas culturas antigas, nas quais você precisa sacudir os esqueletos para entendê-las.

LR: Sim, é verdade, temos uma visão parcial do Oriente e sobre a Coreia é pior porque o tempo todo na TV, na internet, estamos vendo coisas que dizem que é um país ruim, que todas as pessoas estão passando fome, que tudo está muito difícil na Coreia. Mas quando cheguei na Coreia, fui de trem pelo interior do país e vi os campos agrícolas coreanos, todos cheios de plantações, não vi fome entre o povo, e esse mito não é verdade.
Durante os 10 dias em que estivemos na Coreia, pudemos ver as instalações das cidades e como as pessoas fazem as coisas em todo o país.
Também tivemos a oportunidade de ver as comemorações em massa do povo coreano, como um gigantesco desfile militar e os jogos de massa que são ginásticas e atrações artísticas.
Uma frase na Coreia que todos os coreanos gostam de dizer é que todo o país, todos os coreanos, têm um só coração, todos batem na mesma velocidade, todos têm um coração e fazem parte de uma grande família.
Então, percebi na Coreia que todo mundo tem uma grande solidariedade pelas pessoas. Todas as pessoas têm preocupação com o companheiro, com o amigo, com o camarada; juntos, fazem uma coisa gigantesca: é uma união muito bonita de se ver e o povo coreano é único. Porque eles têm muitos traumas em sua história, mas mesmo assim fazem as coisas juntos e têm esperanças em seu próprio caminho, na construção de um país independente.
Além disso, a Coreia do Sul é outro Estado da Coreia e é o resultado de uma ocupação militar dos Estados Unidos; já o que acontece é que a República Popular Democrática da Coreia é feita por coreanos, somente coreanos. É a história tradicional coreana.
Assim, na Coreia é possível olhar para a oposição entre independência e colonialismo, entre liberdade e submissão a outro grande império, e que a Coreia do Norte é o exemplo da independência, de como as pessoas podem construir um projeto independente e soberano diante do imperialismo, diante do imperialismo e de interferência estrangeira, construindo uma Pátria que tem sim problemas, mas que continua em seu próprio caminho, que continua com suas decisões melhorando ao longo do tempo.
Então, fiquei surpreso na Coreia ao ver como as pessoas vivem, como as pessoas têm seus serviços públicos, como fazem tudo com muito amor pela Pátria, com muito amor pela causa da independência e foi uma grande inspiração estar lá naquele ano. Foi uma surpresa muito boa.

HS: Você foi capaz de conversar com as pessoas da cidade e foi muito importante o que você disse que pôde ver fora da cidade nos arredores da capital Pyongyang, que é o lugar onde talvez possamos ver mais imagens, vemos edifícios muito importantes, construções muito modernas, mas poderia ficar a típica desconfiança ocidental de dizer: “bem, essa é a imagem da principal cidade mostrada ao mundo, você teria que ver a realidade lá dentro, na Coreia mais profunda”. Você também viu algo sobre isso?

LR: Sim, fui para a Coreia desde a China, peguei o trem na China e fui para a Coreia e para Pyongyang, que é a capital.
Então, eu pude ver o interior do país.
Também em outros dias deixamos Pyongyang de ônibus e fomos para outras cidades. Pudemos ver que Pyongyang é a maior cidade da Coreia, é a capital, serve como uma cidade modelo onde as coisas são feitas. Quando algo é feito na capital e está bem, os coreanos copiam em outras cidades menores da Coreia.
Mas não é verdade que Pyongyang é uma cidade como se fosse um filme, isso não é verdade, porque em todas as partes do país temos outras cidades como Wonsan, Nampo, Kaesong, Samjiyon, que são outras cidades na Coreia não tão grandes quanto Pyongyang, mas isso é normal, afinal, em todos os países, temos grandes cidades e cidades menores.
Mas na Coreia não falta nada nas cidades pequenas, você também tem as mesmas coisas que em Pyongyang. E o povo camponês vive nas condições normais de um país que tem dificuldades, mas continua a dar uma vida decente ao seu povo.
Então, vi as fazendas coletivas e cooperativas dos camponeses, tudo o que vi foram pessoas trabalhando com suas terras para trabalhar, com suas casas e seus serviços públicos.
Portanto, embora Pyongyang seja a maior cidade, a capital modelo da Coreia, as outras cidades não são pobres, não há fome, são menores, é claro, mas isso é natural.

HS: Claro.
Sobre isso, nestes minutos finais deste contato e em vista de futuros diálogos que possamos ter, Lucas, o que você vê da realidade deles em relação à economia? Porque as pessoas, saindo um pouco da história, querem ver a realidade concreta, como são as casas, o que acessam em termos de comida; você já mencionou saúde, educação, naquela Coreia duramente bloqueada pelas potências ocidentais, mas que têm um nível de dependência em relação às trocas comerciais com a China fundamentalmente, algo com a Rússia. O que você pode ver da realidade da economia, quando se diz que houve muitas dificuldades, de fome que teria atingido a Coreia nos últimos anos?

LR: Sim, para além das dificuldades, o povo coreano realiza um projeto de construção auto-sustentável, de autodeterminação em sua própria economia. Então, na Coreia, eu pude visitar muitas fábricas e vi uma atividade econômica ativa, muito ativa, fábricas que produziam produtos de bens para a população, os principais bens de consumo, mas também a indústria pesada de carvão ou maquinaria industrial; tudo funciona bem nessas indústrias, apesar dos bloqueios.
Portanto, a China é um amigo importante, um parceiro econômico muito importante da Coreia, que muitas vezes ajuda o país contra o bloqueio ocidental. Da mesma forma, o povo coreano, ano após ano, tem muitas conquistas na construção econômica independente.
Por exemplo, a Coreia é capaz de lançar seus próprios satélites no espaço sideral, com seus próprios veículos de lançamento de satélite, que é um tipo de tecnologia que é muito difícil de ter no mundo de hoje, mas a Coreia tem isso por conta própria.
Isso é muito importante, a independência da economia coreana.

HS: Claro, e em termos de satélites, vamos esclarecer, porque nem outros países podem contar com satélites e dependem dos Estados Unidos ou das potências inimigas, digamos.

LR: Sim, exatamente, o monitoramento do espaço aéreo coreano é importante para os coreanos, por exemplo, para o planejamento de atividades no campo agrícola, podendo monitorar a atividade climática e tornar seus planos econômicos mais precisos.

HS: Muito bem, Lucas, estamos ansiosos para continuar conversando, aprofundar e tirar proveito desse testemunho direto de um parceiro latino-americano em contatos futuros, porque precisamos saber muito mais e tirar proveito dessa experiência que você teve recentemente, menos de 2 anos, em estar lá e saber tudo isso. Nossa Rádio também rompe com esse bloqueio de informações, com todo aquele fardo contra esse povo heroico que enfrentou as agressões e que conseguiu deter a investida dos Estados Unidos nesses anos, como aconteceu com outros países como a Líbia, o Iraque e a Síria; é claro que também teve como alvo a Coreia Socialista, mas não conseguiu progredir na subjugação desse país. País que também foi amigo de outros processos revolucionários, vimos imagens nessas horas de Kim Il Sung, de quem hoje nos lembramos, com Fidel Castro, com Che Guevara em uma visita que ele fez à Coreia Socialista; eles também têm em mente aqueles processo de luta certo?

LR: Sim, é verdade, Che foi para a Coreia no ano de 1960 e ele disse que a experiência socialista coreana era um modelo, um exemplo para Cuba.
Até hoje, os povos coreano e cubano continuam sendo grandes amigos, a Coreia apoiou material e politicamente os processos de libertação em todo o mundo, na América Latina, na África e na Ásia, tudo graças ao espírito internacionalista do presidente Kim Il Sung.

HS: Vamos finalmente dizer em um minuto, caso você queira comentar sobre isso; também vi fotos de pessoas na rua em Pyongyang, todas usando máscaras, e que não houve casos de Coronavírus, como também verificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na Coreia Socialista, Lucas.

LR: Sim, é verdade, não há casos de Coronavírus na Coreia porque em janeiro, antes da China, a Coreia adotou as atitudes corretas de saúde pública para conter a entrada do vírus no país. Ela fechou suas fronteiras com a China e iniciou uma campanha nacional para aumentar a conscientização sobre o que era o novo Coronavírus e como impedir sua entrada.
Portanto, hoje não há um único caso na Coreia, eles estão livres de Coronavírus.
Infelizmente para o mundo capitalista como o Brasil, temos muitos casos por aqui e as pessoas estão morrendo nas ruas do Equador, da América Latina, os pobres estão sofrendo muitos infortúnios por esse vírus, mas o socialismo coreano conseguiu impedir completamente a entrada do vírus e é um país livre de Coronavírus.
Agora temos a tarefa aqui no Brasil e em toda a América Latina de combatê-lo, por isso é importante que todos fiquem em casa, em isolamento social e que não façam contato com outras pessoas.
Vamos todos cuidar agora para vencer este vírus.

HS: Lucas, obrigado por essa entrevista, não sei se você deseja fornecer um endereço da web ou de rede para que as pessoas possam acessá-lo; além de espalhar materiais em português, também vi que vocês indicam materiais em vídeo e livros em espanhol para quem quer saber mais sobre a realidade da Coreia Socialista.

LR: Sim, é possível encontrar em nosso site uma biblioteca virtual com muitos livros em espanhol, também em português, para aprender sobre a Coreia.
Nosso endereço é: cepsongunbr.wordpress.com ou você pode pesquisar pelo nome do Centro de Estudos da Política Songun no Facebook e você nos encontrará.

HS: Correto, e vamos colocar esses endereços juntos com esta entrevista em nosso site e em nossas redes sociais também para que as pessoas possam acessá-lo.
Muito obrigado por nos atender no Rio de Janeiro, continuaremos falando sobre o país que pode nos ensinar muito agora, afinal, ele já está ensinando o mundo todo. Obrigado e enviamos um abraço de Montevidéu, Lucas!

LR: Muito obrigado pelo convite, é uma honra para mim! Saudações em nome de todo o povo do Brasil e também em nome da amizade latino-americana. Muito obrigado!

__________
CEPS-BR

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s